fbpx
Gestão

Como ter uma Gestão Financeira Eficiente

Por 31 de outubro de 2018 maio 31st, 2019 Sem comentários
Como ter uma Gestão Financeira Eficiente

Além da preocupação com as atividades pedagógicas, uma escola precisa estar atenta às questões financeiras, pois assim evita problemas posteriores que podem prejudicar a qualidade de ensino ofertada.

A seguir abordamos 5 maneiras de desenvolver uma gestão escolar financeira eficiente. Confira!

  1. Controle das receitas e despesas

Uma etapa fundamental para a gestão financeira escolar é ter o controle do dinheiro que entra e sai do caixa.

Cada vez que um pai faz o pagamento de uma mensalidade, por exemplo, o gestor precisa computar o valor recebido.

Da mesma forma, quando a instituição paga por algo esse valor precisa ser registrado.

A seguir, só para mostrar quantas informações devem ser computadas, citamos apenas alguns custos operacionais que ocorrem frequentemente em uma escola:

  • pagamento do salário dos professores, técnicos-administrativos e outros colaboradores;
  • quitação de contas como água, luz, telefone, internet, etc.;
  • compra de materiais, recursos pedagógicos e tecnológicos;
  • pagamento de consertos eventuais.

 

  1. Análise dos custos e redução dos mesmos

A partir dos dados coletados na etapa anterior, o gestor financeiro pode e deve criar um gráfico mensal para analisar as mudanças que ocorrem.

Consequentemente, com o tempo é possível compreender melhor a sazonalidade da escola, em termos econômicos, bem como identificar custos que podem ser reduzidos.  

Embora as duas  primeiras estratégias citadas pareçam simples, muitas vezes elas são deixadas de lado e, consequentemente, o gestor não consegue saber qual a situação financeira real da instituição.

 

  1. Realização e controle dos investimentos

Uma outra dica relaciona-se aos investimentos que a escola pode e deve fazer, mas sempre de maneira racional.

O ideal é descobrir investimentos ativos e rentáveis que possam gerar uma reserva financeira.

Dessa forma, a empresa mantém-se estável mesmo nos momentos em que a entrada de receitas é reduzida e, por isso, não precisa preocupar-se em fazer empréstimos ou reduzir os seus custos  básicos e primordiais nos períodos em que o mercado não estiver propício para a geração de lucros.

 

  1. Conhecimento do mercado educacional e dos concorrentes

É essencial conhecer o setor educacional e os períodos em que entram mais receitas, os custos com materiais e pessoal são aumentados, há uma estabilidade no fluxo de caixa, etc.

Saber como agem os concorrentes é outra importante função do setor financeiro.

Isto porque a partir da análise de outras escolas, descobre-se seus pontos fortes e fracos e em seguida é possível definir estratégias e objetivos visando estabelecer um diferencial no mercado.

Além disso, é preciso estar atento ao público-alvo que é atendido e descobrir quais são as necessidades dele.

Na sequência, deve-se desenvolver estratégias para solucionar os seus problemas.

Assim, unindo qualidade de ensino a soluções para os pais e alunos, consegue-se a fidelização dos mesmos que continuam na escola e, ainda, podem indicá-la a novos alunos.

 

  1. Metas de crescimento

Finalmente, mas não menos importante, é a criação de metas.

Ela é um caminho para manter o foco nas atividades que estão sendo desenvolvidas e é uma forma de promover a integração de toda a equipe que passa a atuar em sintonia para atingir os objetivos e ideais da escola.

A partir da concretização delas, o grupo se fortalece e, consequentemente, há um retorno tanto em termos de qualidade dos serviços prestados como, e consequentemente,  em relação ao dinheiro que entra.

Como você pode ver, as estratégias para uma gestão financeira eficiente são simples, basta estar atento a elas e colocar todas em prática.

O resultado é, sem dúvida, uma escola de qualidade que pode dedicar-se a desenvolver seu projeto pedagógico da melhor maneira possível!

×