fbpx
Pais e Escola

Bullying na educação infantil: como lidar e como evitar

Por 6 de setembro de 2019 Sem comentários

O bullying ocorre em diversos contextos sociais e o ambiente escolar também é local para disseminação dessa prática, inclusive na educação infantil. 

 

A seguir, abordamos o tema e explicamos o que pode ser feito para evitar tais condutas entre as crianças. Boa leitura!

 

Saber identificar o bullying

 

Nem todos os atos de agressividade e violência que acontecem no ambiente escolar são considerados bullying. Por isso, é preciso saber reconhecer a prática. Indicamos abaixo suas principais características: 

 

  • é uma agressão física ou psicológica intencional; 
  • é realizada por um ou mais indivíduos;
  • seu participantes são: o alvo, o agressor e os espectadores; 
  • constitui-se em uma demonstração de poder entre os envolvidos;
  • acontece apenas entre grupos de faixa etária próximas. 

 

Quando pensamos no ambiente da educação infantil, precisamos estar atentos, pois tais ações são passíveis de acontecer com crianças a partir dos três anos de idade. Afinal, é nesse momento que elas começam a socializar, bem como a descobrir mais sobre si mesmas e sobre os outros.

 

Vale ressaltar que as consequências desses comportamentos para o alvo da ação são bastante preocupantes. Dentre elas destacamos: 

 

  • dificuldades de aprendizagem; 
  • ansiedade e medo; 
  • problemas para ir a escola;
  • isolamento; 
  • surgimento de traumas que influenciam a formação da personalidade. 

 

E como a construção do caráter ocorre até, mais ou menos, os seis anos, torna-se essencial um trabalho que vise formar crianças para respeitarem as diferenças e singularidades de cada um. 

 

Como agir diante da situação

 

Ao perceber uma prática de bullying o professor deve agir imediatamente a fim de evitar que se repita. E, mais do que isso, precisa demonstrar às crianças que a atitude não é correta, pois, acima de tudo, não é respeitosa. 

 

Isto precisa ser feito através do diálogo, do afeto, de uma explicação satisfatória e educativa. Assim, todos compreendem porque o bullying não deve ser praticado. 

 

Um outro ponto essencial é observar frequentemente as crianças, pois dificilmente quem sofre a agressão relata a situação. Normalmente são alunos mais tímidos e que têm dificuldades para se expressar e mesmo interagir com a turma. 

 

Casos de isolamento podem indicar que um educando está sendo alvo da violência e a família precisa ser contatada o mais rápido possível. 

 

Práticas para evitar o bullying

 

A melhor maneira de evitar o bullying é abordando temáticas sobre a diversidade, pois elas colocam as diferenças em evidência, valorizando-as. Junto a isso, estimular o diálogo e a resolução de conflitos entre os alunos é outra estratégia que funciona. 

 

Princípios como altruísmo, cooperação e empatia também são ótimos temas a serem trabalhados, pois promovem a reflexão sobre como interagir e viver em sociedade.  

 

Diversas práticas podem ser feitas com esse intuito, sempre de forma lúdica, uma vez que estamos tratando da educação infantil. Listamos algumas a seguir: 

 

  • realizar debates nos quais todos possam falar e argumentar; 
  • fazer leituras de obras literárias e conversas sobre elas; 
  • promover atividades solidárias como trocas e doações;
  • utilizar jogos em equipes que foquem na colaboração; 
  • propor jogos teatrais que incentivem a liberdade de expressão; 
  • proporcionar momentos de criação artística coletiva; 
  • incentivar as habilidades de escuta junto à expressão pessoal. 

 

A partir dessas dinâmicas, os alunos desenvolvem o respeito e a interação social saudável. E aliadas a elas, é ideal que o professor seja um exemplo para as crianças, afinal, nessa importante fase do desenvolvimento elas imitam muito do que observam. 

 

Enfim, dessa forma espera-se que o resultado seja uma redução dos casos de bullying, ao mesmo tempo em que se diminui a possiblidade de formar futuros agressores. 

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe com seus amigos!

 

×